Hepatite mata quase tanto quanto a SIDA, alerta a OMS

Novos medicamentos contra a hepatite têm uma taxa de cura de 95%
25 de julho de 2014 - 09h40



A hepatite é uma doença que mata quase tanto quanto a SIDA. Quase 1,4 milhões de pessoas morrem todos os anos por causa da hepatite, anunciaram esta quinta-feira, em Genebra, vários especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS).



O alerta acontece a alguns dias do Dia Mundial contra a Hepatite, celebrado a 28 de julho. Os especialistas afirmam que a doença, que pode causar cancro, deve ser combatida.



Um total de 1,5 milhão de pessoas morreram com SIDA em 2013.



Dos 1,4 milhões de pessoas mortas pela doença, 90% tinham contraído hepatite B e C, responsáveis por dois terços dos cancros de fígado no mundo.



"A melhor forma de prevenção contra o cancro de fígado ou contra as cirroses hepáticas é a prevenção e o tratamento da hepatite viral", declarou o professor Samuel So, cirurgião e professor da Universidade de Stanford, na Califórnia.



"Se agirem assim, vão salvar muitas vidas e, ao mesmo tempo, economizar custos sanitários", declarou à imprensa em Genebra.



Com este objetivo, Samuel So, acompanhado de especialistas da OMS, defendeu um reforço dos testes que detetam a doença, tendo em conta que se estima em 500 milhões o número de pessoas portadoras do vírus da hepatite.



Segundo Stefan Wiktor, encarregado do programa de luta contra a hepatite na OMS, há novos tratamentos contra a doença, com um índice de cura de 95%, o que representa uma "revolução terapêutica".



Por SAPO Saúde com AFP
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários