Há 6.000 edifícios com amianto, mas Governo diz que só 3.700 necessitam de intervenção

O Ministério do Ambiente esclareceu que, do total de 6.000 edifícios públicos identificados como tendo amianto, somente 3.700 apresentam condições que exigem a remoção da substância.
créditos: JOÃO RELVAS/LUSA

Os restantes edifícios "estão a ser monitorizados, não apresentam necessidade de qualquer intervenção ou já foram intervencionados", refere o ministério liderado por João Matos Fernandes

A associação ambientalista Quercus estimou ser necessário gastar pelo menos 750 milhões de euros para remover os materiais com amianto dos edifícios que poderão conter a substância e que refere serem cerca de seis mil. Um comunicado da associação de defesa do ambiente avançava que "os 300 milhões de euros atualmente disponíveis [para aquela tarefa] apenas conseguirão assegurar a remoção das coberturas em fibrocimento".

Os ambientalistas referiram que poderão existir muito mais que os 2.700 edifícios públicos, como escolas, hospitais ou bibliotecas, da lista já elaborada e divulgada e que podem chegar a seis mil. O Ministério vem esclarecer que nem todos os 6.000 edifícios que contêm amianto têm de ser intervencionados.

Perigosos para a saúde

Os materiais com amianto só se tornam perigosos se estiverem degradados, havendo o risco de a substância ser libertada para o ar. A Quercus recordou que a variedade de produtos que incorporaram o amianto é muito grande e é fundamental identificar e referenciar a sua totalidade, que se estima rondar os 3.000 artigos diferentes.

10 coisas do dia a dia que já devia ter deitado fora

Comentários