Governo promete esforço para mais tratamentos de infertilidade nos centros públicos

Teresa Caeiro questionou Macedo a propósito da queda dos tratamentos de infertilidade no privado
3 de abril de 2013 - 14h11



O Governo vai fazer “um esforço” para a realização de mais tratamentos de infertilidade nos centros públicos, em resposta ao aumento da procura por casais que não conseguem pagar estes ciclos no privado, anunciou hoje o ministro da Saúde.



Durante a audição sobre política de saúde, que decorre na Comissão Parlamentar da Saúde, Paulo Macedo respondeu desta forma a uma questão levantada pela deputada do CDS-PP Teresa Caeiro, a propósito do alerta do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNPMA) de que a crise económica diminuiu o número de tratamentos de infertilidade nos centros privados e deverá aumentar a procura nos públicos.



Em entrevista à agência Lusa, o presidente do CNPMA, revelou que os dados de 2011 já reunidos, mas que ainda não foram analisados, apontam para uma diminuição do número de ciclos de tratamento de infertilidade nos centros privados, onde a crise económica está a ter um maior impacto.



Eurico Reis defendeu que os centros públicos têm de estar preparados para esse crescimento.



Paulo Macedo já conhece o alerta do CNPMA, bem como “pedidos de transferência de ciclos do privado para o público”.



Em resposta, o ministro disse que “há um acordo para dotar estas unidades do SNS com mais meios”.



“Vamos fazer um esforço para ter mais ciclos no SNS, designadamente recorrendo aos centros que existem e que poderão, com algumas condições materiais adicionais, dar mais resposta”, disse.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários