Governo investe 40 milhões no combate ao cancro

O Governo anunciou esta quarta-feira um investimento de 40 milhões de euros para tratamento de doentes oncológicos nos Institutos Portugueses de Oncologia (IPO) de Lisboa, Porto e Coimbra, sendo metade do valor fornecido pela tutela e a outra por fundos comunitários.
créditos: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Fachada do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa (Foto de Arquivo/LUSA)

O anúncio foi feito hoje, Dia Mundial do Cancro, em comunicado, pelo Ministério da Saúde, no qual lembra que esta doença é a principal causa de morte prematura antes dos 70 anos e, no conjunto das causas de mortalidade em todas as idades, ocupa o segundo lugar depois das doenças cérebro-cardiovasculares.

Para assinalar a efeméride, o Ministério da Saúde anunciou que este ano estão previstos investimentos para a área oncológica, designadamente para as unidades dos IPO’s de Lisboa, Coimbra e Porto superiores a 40 milhões de euros.

“Uma parte deste investimento já será realizado graças à capacidade de autofinanciamento das unidades, outra, por candidatura a fundos comunitários, e outra parte, ainda, através da injeção de capital do Estado, até 20 milhões de euros a realizar este ano”, indica a tutela.

O ministério lembrou que, em 2014, os principais investimentos nos três IPO’s rondaram os oito milhões de euros.

Combate ao cancro é prioritário para o Governo

Em comunicado, o ministério realça que o Programa Nacional para as doenças Oncológicas é considerado prioritário e os principais programas de prevenção primária, luta contra o tabagismo, a promoção de alimentação saudável, estão atualmente organizados em programas autónomos.

O ministério lembra também que várias ações vão ser levadas a cabo com o financiamento pelos jogos sociais no valor global de 350.000 euros.

De acordo com o ministério, as previsões para Portugal apontam para um acréscimo de 12,6% de novos casos, estimando-se que, à semelhança de 2014, este ano morram por cancro mais de 20.000 pessoas.

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários