Futuros centros referência vão ser integrados em rede europeia

O ministro da Saúde disse esta sexta-feira que os centros de referência para cancro, transplantes e doenças genéticas vão fazer parte de rede europeia, e afirmou que se trata de "uma das maiores reformas estruturais que este Governo levou a cabo".

"É uma das maiores reformas estruturais que este Governo levou a cabo(...) Os centros de referências vão fazer parte de uma rede europeia. Pretende-se que sejam centros de excelência, em aéreas muito específicas", afirmou Paulo Macedo.

O governante, que falava em Vila Verde à margem da inauguração das obras de requalificação do hospital da Santa Casa da Misericórdia local, referia-se à abertura, hoje, das candidaturas nas áreas das neoplasias malignas de adultos do testículo, reto, esófago e hepatobilio/pancreáticos, assim como de sarcomas de partes moles e ósseos de adultos.

"O que pretendemos é criar centros de excelência que se possam desenvolver e servir, em primeiro lugar, os cidadãos portugueses mas, ao mesmo tempo, posicionar-nos em termos europeus, porque este centros de referência vão ser reconhecidos também em termos europeus", sustentou o governante.

As unidades de saúde que pretendam ser admitidas como centros de referência para as áreas dos cancros raros, da transplantação de órgãos e de doenças genéticas têm agora 30 dias para se candidatarem a este reconhecimento.

"Vamos ter aqui uma transformação muito importante. Vamos fazer este processo faseadamente. Já estava há muito tempo anunciado que íamos abrir [candidaturas], já estava há muito tempo anunciado quais eram as áreas para as quais íamos abrir e, portanto haverá uma segunda, terceira e quarta fases", adiantou Paulo Macedo.

O ministro da Saúde afirmou "não ter dúvidas nenhumas que haverá melhoria", na qualidade dos serviços prestados aos utentes naquelas áreas, por considerar que "haverá um fator de disseminação destes centros de excelência".

Um centro de referência é um serviço, departamento ou unidade de saúde, reconhecido como o expoente mais elevado de competências na prestação de cuidados de saúde de elevada qualidade.

O reconhecimento da unidade como centro de referência é dado pelo ministro da Saúde, tendo as candidaturas de seguir para a Direção-Geral da Saúde (DGS), a quem cabe analisar se os candidatos cumprem os critérios gerais de reconhecimento desta designação.

As neoplasias malignas de crianças e adolescentes, a transplantação de adultos para coração, fígado, rim, pulmão e pâncreas, a transplantação pediátrica para coração, fígado e rim, os tumores oculares, a epilepsia refratária de crianças, adolescentes e adultos e a paramiloidose familiar são as outras áreas abrangidas pelos concursos agora abertos.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários