Fumadores têm maior propensão para a esquizofrenia

Estudo revela que quem fuma demora mais tempo a processar informação

Fumar pode aumentar o risco de desenvolvimento de esquizofrenia em pessoas saudáveis, revela um estudo realizado por investigadores do Hospital Universitário de Psiquiatria de Zurique, na Suíça.

Os resultados, publicados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) concluíram que as pessoas fumadoras com variantes genéticas para o transtorno mental têm maior propensão de ter esquizofrenia do que aquelas que não fumam.

Os investigadores analisaram a relação entre variantes do gene TCF4 (uma proteína com papel importante na formação cerebral), cuja presença é conhecida por aumentar o risco de desenvolver esquizofrenia, tal como o défice de processamento de informações associado ao transtorno.

Dos 1.821 voluntários saudáveis, foram encontradas 21 mutações para o gene TCF4 e, quando os resultados foram ajustados de acordo com o hábito de fumar, os cientistas observaram que os fumadores tinham maiores défices no processamento de informações. Os défices foram expressivos tanto para os fumadores ocasionais como para os fumadores constantes.

“As campanhas de sensibilização são tantas que, por vezes, o risco de doença e da morte parece já não incomodar os fumadores. Por isso, é cada vez mais importante consciencializa-los do que o futuro lhes pode reservar. A esquizofrenia, apesar de rara, é um transtorno mental que já atinge cerca de 1 por cento da população mundial. É uma doença muito grave e debilitante, que não olha a sexos ou idades. É, com certeza, uma patologia para a qual vale a pena parar e pensar no que estamos a fazer com nossa vida”, explica Marta Andrade, terapeuta de Cessação Tabágica da Facilitas Healthcare.


17 de dezembro de 2012

@SAPO



Comentários