Sindicato alerta que falta de técnicos e excesso de trabalho deixa doentes em risco

O sindicato dos técnicos de diagnóstico e terapêutica alertou esta quinta-feira para o elevado risco de haver erro no tratamento de doentes nos hospitais públicos devido à redução de profissionais de saúde e ao aumento do volume de trabalho.
créditos: MIGUEL A. LOPES / LUSA

“As equipas [de profissionais que realizam exames como raio-x, ecografias ou análises] têm vindo a ser reduzidas, em alguns casos para cerca de 50% das equipas iniciais. O volume de trabalho aumentou para o dobro. Existe um elevado risco de haver erro. Há muita pressão e os tempos de descanso são violados sistematicamente”, alertou o presidente do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das áreas de Diagnóstico e Terapêutica (STSS).

Em declarações à Lusa, Almerindo Rego disse que nos últimos três anos o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem perdido profissionais, uns que não aguentam a pressão e pedem a reforma antecipada (os mais velhos), outros emigram (os mais novos) ou desviam-se para o setor privado, que é “mais apelativo”.

Acresce a isto o congelamento das admissões, que não permite a renovação dos quadros, explica, lembrando que a passagem de modelo de gestão de alguns hospitais para EPE transferiu para as unidades de saúde o ónus da contratação de recursos humanos, mas que por sua vez não são autorizadas pelas finanças.

Hospitais reduzidos a serviços mínimos

Os hospitais estão a trabalhar com “serviços mínimos e a qualidade vem por aí abaixo”, afirmou, sublinhando que esta é uma situação generalizada nos hospitais do SNS.

“Já não é fácil identificar situações pontuais. O problema é estrutural, é um erro de origem, relacionado com a política de empregabilidade, com a política de renovação de quadros e com a emergência do setor privado: hospitais enormes com grande capacidade de resposta”, defendeu.

A partir daqui, o que acontece é que os técnicos “saltam para fora do sistema” e como “o privado quer o melhor que existe no público”, descapitaliza-se também a qualidade do SNS, disse o presidente do STSS.

Comentários