Falta de dinheiro para vacinar cães contra a raiva mata mais de 50 mil pessoas por ano

Flagelo é global e há episódios relatados em mais de 150 países
28 de maio de 2014 - 12h15
O diretor da Organização Internacional da Saúde Animal (OIE), Bernard Vallat, alerta para um assassino invisível - o vírus causador da raiva ou hidrofobia - que poderia ser eliminado com uma vacina, que representa apenas um décimo dos custos do tratamento dos doentes infetados.
A limpeza da ferida e a imunização logo nas primeiras horas após o contato com o animal suspeito de estar infetado podem impedir que a pessoa contraia a doença e morra. Todos os anos, mais de 15 milhões de pessoas no mundo são tratadas após suposta exposição ao vírus e calcula-se que 327 mil mortes sejam evitadas dessa forma, relata a BBC. 
Segundo as estimativas mais recentes, a raiva mata cerca de 55 mil pessoas por ano. Cerca de 40% das vítimas têm menos de 15 anos de idade.
Os custos da vacinação preventiva continuam relativamente altos e isso significa que a doença continua presente, por exemplo, em regiões pobres da Ásia.
Os especialistas acreditam que muitos casos acabam por não ser contabilizados. 
Numa palestra durante o congresso anual da OIE em Paris, Vallat afirmou que investimentos internacionais para a erradicação da doença são escassos.
"Mesmo quando mostramos que o custo de vacinar os cães representa 10% do custo de tratar pessoas mordidas, não somos capazes de convencer os dadores", cita a referida estação britânica..
Por SAPO Saúde 
artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários