Estudo/medicamentos: Genéricos em Portugal mais baratos do que em Espanha, França, Itália e Grécia

Os medicamentos genéricos em Portugal são mais baratos do que em Espanha, França, Itália e Grécia, tendo os preços sofrido “reduções significativas” este ano face a 2009, revela um estudo hoje divulgado.

O estudo da Associação Portuguesa de Medicamentos Genéricos (APOGEN) compara os preços dos fármacos sem marca mais vendidos no mercado português com os praticados nos quatros países de referência: Espanha, França, Itália e Grécia.

Segundo o documento, os quatro países de referência apresentam uma média de preços unitários mais elevada comparativamente com Portugal, sendo na Grécia onde se verificou a maior diferença no preço unitário médio face a Portugal, cerca de 0,43 euros mais caro.

Já Espanha foi o país que apresentou a menor diferença no preço unitário face a Portugal, sendo os medicamentos genéricos cerca de 0,03 euros mais caros no país vizinho, adianta a análise comparativa.

O estudo refere igualmente que em Portugal é possível comprar, em média, medicamentos genéricos 12 por cento mais baratos do que em Espanha. Em Itália, estes fármacos custam 30 por cento mais e em França o preço médio é 63 por cento mais elevado, enquanto na Grécia, os genéricos são em média 157 por cento mais caros.

A análise comparativa encomendada pela APOGEN mostra igualmente que o preço das substâncias ativas mais vendidas em Portugal sofreram “um acentuado decréscimo” este ano face a 2009, quando foi feito o último estudo.

O documento realça que “o grande destaque” vai para a Sinvastatina, cujo preço por unidade passou de 0,46 euros em 2009 para 0,10 euros em abril deste ano, o Omeprazol e o Alprazolam, que registaram decréscimos de 63,4 por cento e de 37,5 por cento, respetivamente.

De acordo com a APOGEN, estas substâncias são utilizadas no tratamento de problemas comuns a uma grande parte da população, como o colesterol (Sinvastatina) ou problemas gástricos (Omeprazol), enquanto o Alprazolam é um psicotrópico utilizado em pacientes em estado de grande ansiedade, depressão ou perturbações relacionadas com o pânico.

O estudo teve como principal objetivo a comparação do preço dos medicamentos genéricos em Portugal face a Espanha, Itália, França e Grécia. A análise teve por base os fármacos com maior representatividade e o número de embalagens vendidas durante o mês de abril deste ano.

03 de agosto de 2011

Fonte: Lusa

Comentários