Estado aumenta capital do Hospital Gaia/Espinho em 5,3ME para viabilizar obras

O Estado vai aumentar em 5,3 milhões de euros o capital do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) de forma a viabilizar o arranque de obras neste equipamento, contemplando a construção de uma nova urgência médica.
créditos: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O anúncio foi festo hoje, de manhã, pelo secretário de Estado da Saúde, Manuel Teixeira, que visitou as obras em curso no CHVNG/E, um centro hospitalar que faz cerca de 180 mil atendimentos de urgência ao ano e em média atende 500 pessoas por dia também nos serviços de emergência.

A primeira fase de obras de um projeto dividido em três etapas ficará concluída em outubro e contempla a construção de um novo edifício, bem como ligações internas entre os espaços existentes e compra de equipamentos, num investimento total de 13 milhões de euros, sete dos quais oriundos do ON.2 - O Novo Norte.

Quanto à segunda fase, esta engloba a construção de uma nova unidade de emergência médica, serviços de apoio para tratamento, cuidados intensivos e cuidados polivalentes e a criação de novos acessos ao hospital.

Para que esta segunda etapa se materialize o CHVNG/E vai contar com seis milhões de euros de fundos europeus e um reforço de 5,3 milhões no seu capital atual, somando-se a participação da autarquia de Gaia à qual caberá investir na malha viária, num investimento na ordem dos dois milhões.

No total, somando capitais próprios do CHVNG/E, a obra deverá custar entre 14 a 15 milhões de euros, conforme confirmou esta manhã o presidente do Conselho de Administração, Silvério Cordeiro, não negando que sem o apoio hoje confirmado pela tutela existia o risco da obra parar.

Comentários