Especialista em doenças do fígado diz que é difícil combater consumo excessivo de álcool

Interesses instalados do setor prevalecem sobre o poder político
3 de abril de 2013 - 10h37



O presidente da Associação Portuguesa de Estudos para o Fígado (APEF), Armando Carvalho, disse hoje ser "difícil" combater o consumo "excessivo" de álcool em Portugal, porque os "interesses instalados" do setor prevalecem sobre o poder político.



Aludindo à nova lei do álcool, que passou a proibir a venda e consumo de bebidas espirituosas (as chamadas bebidas brancas) a menores de 18 anos, mantendo nos 16 anos a idade mínima para o vinho e cerveja, frisou que "não há razões científicas" para tal.



"Só pode ser por razões económicas. Não é o poder político que manda, parecem ser os interesses instalados. Assim, é difícil combater o consumo excessivo de álcool em Portugal", disse à agência Lusa Armando Carvalho.



Apesar da discrepância nas idades mínimas para acesso a bebidas alcoólicas, o responsável da APEF - entidade que promove na sexta-feira e no sábado, em Coimbra, o Congresso Português de Hepatologia - considera "muito positivo" a revisão da lei "e, apesar de tudo, ter aumentado a idade de venda para as bebidas mais agressivas".



"Dá uma boa mensagem, a de quanto mais cedo se começar a beber pior é", sustentou.



Já sobre o aumento do consumo de álcool para alívio do sofrimento devido à crise, um alerta deixado há alguns meses por um responsável do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências, Armando Carvalho manifestou-se "preocupado", não só com esse dado, mas também com as eventuais maiores dificuldades da população no acesso a medicamentos.



"A crise preocupa-nos em vários sentidos: o aumento do consumo de álcool não é fácil de resolver, mas também poder haver menos disponibilidade financeira das pessoas para adquirirem medicamentos e mesmo para cuidados médicos", sublinhou.



Já sobre a prevalência das doenças do fígado em Portugal em comparação com os países da União Europeia, um dos temas do congresso, o médico hepatologista sublinhou que o impacto de doenças causadas pelo álcool - como a cirrose hepática, atualmente a 10.ª causa de morte em Portugal - é "sensivelmente igual" à Europa Ocidental, onde "há grande prevalência".



Outro tema em discussão na reunião magna da APEF, que irá reunir cerca de 200 hepatologistas, diz respeito à falta de investigação científica em Portugal na área das doenças hepáticas.



"Temos um tremendo défice em termos de capacidade de investigação. Em termos de profissionais e cuidados médicos não devemos nada ao resto do mundo, mas falta investigação", disse Armando Carvalho.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários