Falta de medicamentos na Venezuela leva doentes a procurar remédios para animais

Kevin Blanco é apenas um exemplo. Este venezuelano, que fez um transplante de rim há 15 anos, diz sentir-se humilhado por ter de tomar fármacos concebidos para animais devido à falta de medicamentos para humanos.
créditos: Pixabay

A Venezuela enfrenta rutura de stock em 70% dos fármacos, segundo números da Federação Farmacêutica deste país.

A prednisona e o cellcept - imunossupressores que evitam a rejeição de órgãos transplantados - já não existem nas farmácias públicas nem privadas, o que colocou em situação de risco centenas de pacientes que não podem suspender a medicação, sob pena de perderem o órgão transplantado.

"Quando a prednisona humana acabou, toda a gente começou a procurar a canina", afirma o presidente da Federação Farmacêutica, Freddy Ceballos.

"Estas pessoas estão a correr risco de vida", afirma Francisco Valencia, presidente da Fundação Amigos Trasplantados.

Kevin Blanco, de 47 anos, esteve sem os dois medicamentos durante um mês até terça-feira, quando voltou a receber os remédios. Durante esse período consumiu prednisona para animais.

"É humilhante saber que a minha vida depende de um medicamento para animais", comenta Kevin Blanco. O próprio médico alertou-o que a ingestão deste remédio veterinário seria "por sua conta e risco".

O governo de Nicolás Maduro - que não divulga números oficiais sobre a falta de remédios desde fevereiro de 2014 - nega a falta de prednisona, indicando que em julho Cuba enviou um lote de 1,2 milhões destas pílulas.

Por trás da falta de fármacos, está a crise gerada pela queda dos preços do petróleo que afeta vários setores da economia do país.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários