Epidemia de ébola na África Ocidental "fora de controlo", alertam Médicos Sem Fronteiras

Organização Médicos Sem Fronteiras com dificuldades para responder a todos os casos da infeção viral

24 de junho de 2014 - 10h10

A organização não-governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF) alertou hoje que a epidemia de ébola na República da Guiné, na Serra Leoa e na Libéria está "fora de controlo", pelo que é necessário uma mobilização maciça de recursos.

Em comunicado, a MSF recorda que foram identificados doentes em mais de 60 locais dos três países da África Ocidental infetados, o que torna muito difícil localizar, identificar e tratar os doentes em asilos para deter o surto.

"A epidemia está fora de controlo. Com o aparecimento de novos focos na Guiné, Serra Leoa e Libéria, existe um risco real de o surto se expandir a outras áreas", afirmou, citado no comunicado, Bart Janssens, da MSF.

A ONG indica que atualmente é a única organização que está a tratar os doentes de um vírus "que pode matar até 90 por cento dos infetados".

Até agora, a MSF tratou 470 doentes, 215 dos quais eram casos confirmados de ébola, mas está "a ter problemas para responder a um número crescente de casos", referiu o médico.

"Alcançámos o nosso limite. Apesar dos recursos humanos e do equipamento enviado pela MSF para os três países, não podemos enviar as nossas equipas para novos lugares", alertou Janssens.

Surto sem precedentes

No comunicado, destaca-se ainda que o atual foco de ébola não tem precedentes no que diz respeito à distribuição regional, ao número de pessoas infetadas e ao número de mortes.

Segundo os mais recentes dados, hoje anunciados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o número de vítimas mortais causadas pela epidemia de ébola na África Ocidental ascende já a 350, de 528 casos confirmados.

Comentários