Enfermeiros do Hospital de Santarém dizem-se "exaustos" e advertem para risco de rutura

Imposição do horário semanal de 40 horas veio sobrecarregar os enfermeiros, diz sindicato

27 de junho de 2014 - 11h25

Os enfermeiros do Hospital de Santarém alertam que estão “exaustos” e que a sobrecarga horária a que estão sujeitos e a diminuição de enfermeiros “está a provocar a rutura” nos serviços e pode colocar em risco os doentes.

Advertindo que o bloqueamento à contratação de enfermeiros imposto pelos Ministérios da Saúde e das Finanças irá agravar no período de verão uma situação já insustentável, a direção regional de Santarém do Sindicato dos Enfermeiros admite a adoção de medidas “mais radicais, nomeadamente a recusa do trabalho extraordinário se o problema for ignorado e mantido”.

Frisando que a imposição do horário semanal de 40 horas veio sobrecarregar os enfermeiros, o sindicato sublinha, em comunicado enviado à agência Lusa, os impactos que acrescem da necessidade de trabalho extraordinário, já que acabam por fazer “50 ou 60 horas semanais”.

“Os enfermeiros nunca estão realmente de folga, tal como a lei obriga. O não ter as pausas para recuperar física e psicologicamente, leva estes profissionais a um cansaço extremo. Os enfermeiros não têm vida familiar”, adverte.

O sindicato alerta que a “diminuição de enfermeiros e a exaustão” a que chegaram os profissionais “aumentam significativamente o risco de negligência e morte dos utentes”.

“Pelo exposto, os enfermeiros do Hospital de Santarém declinam qualquer responsabilidade no problema. Alertam, desde já, que tomarão outras medidas mais radicais, nomeadamente a recusa a trabalho extraordinário, se o problema for ignorado e mantido”, sublinha o comunicado.

Por Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários