Enfermeiros "dececionados" após reunião com Governo da Madeira admitem greve

O presidente do Sindicato dos Enfermeiros da Madeira (SEM) considerou hoje “dececionante” a reunião com o Serviço Regional de Saúde sobre a admissão de profissionais e harmonização salarial, tendo admitido a possibilidade uma greve do setor.
créditos: MARIO CRUZ/LUSA

"Havia duas questões urgentes relativamente às quais esperávamos que a secretaria Regional de Saúde nos desse uma resposta concreta, nomeadamente sobre a admissão de enfermeiros e a harmonização salarial entre os enfermeiros do Contrato Individual de Trabalho (CIT)", explicou no final da reunião.

Juan Carvalho adiantou que o Serviço Regional de Saúde da Madeira (SESARAM) admitiu 20 enfermeiros em agosto e que outros 33 serão admitidos em outubro e novembro, mas sublinhou que "este número fica aquém das necessidades".

Segundo o dirigente sindical, para colmatar as suas necessidades e cobrir o número dos enfermeiros que saíram do sistema desde 2007, o SESARAM precisa de admitir cerca de 400 profissionais.

"A secretaria admitiu alguns enfermeiros no mês de agosto, pretende admitir mais 33 durante outubro e novembro, mas é pouco, fica muito aquém das necessidades que o Serviço Regional de Saúde tem nos cuidados de enfermagem", disse.

Juan Carvalho lamentou também que o SESARAM não tenha apresentado, na reunião de hoje, uma solução quanto à harmonização salarial: "Era expectável que a secretaria [Regional] apresentasse uma solução para a harmonização salarial dos enfermeiros que ganham abaixo da tabela salarial em vigor na Função Publica".

"Ficamos com a sensação que a secretaria não tem solução para o problema", adiantou.

Comentários