Enfermeiros de Lisboa em greve reivindicam 1.200 euros mensais mínimos

Greve terá duração de duas horas e meia
2 de abril de 2013



Os enfermeiros com Contrato Individual de Trabalho (CIT) no Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) cumprem hoje um período de duas horas de greve em defesa de 1.200 euros mensais de remuneração mínima, segundo fonte sindical.



Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), disse à agência Lusa que este protesto é nacional e abrangerá várias instituições, sendo que hoje será no CHLC, que reúne os hospitais de São José, Santa Marta, Capuchos, Curry Cabral, Dona Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa.



Com uma concentração marcada para as 11h30 no Hospital de São José, os enfermeiros que aderirem ao protesto estarão em greve entre as 10h30 e as 12h30.



Os enfermeiros com CIT reclamam o pagamento de 1.201,48 euros que o Ministério da Saúde estipulou como valor de remuneração mínima para as 35 horas semanais no Serviço Nacional de Saúde (SNS).



Para Guadalupe Simões, “não é justo que, estando definido que todos os enfermeiros contratados a partir deste ano para os hospitais do SNS recebam pelo menos 1.201,48, os que já lá estão com CIT não o recebam”, disse.



O SEP considera que “os enfermeiros a CIT, independentemente da natureza do seu vínculo, são funcionários públicos, prosseguem os mesmos conteúdos funcionais dos restantes enfermeiros, têm as mesmas qualificações, as mesmas responsabilidades e os mesmos superiores hierárquicos, razão pela qual não podem ser discriminados”.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários