Elevado consumo de peixe em Portugal é prejudicial para o planeta

Um novo relatório refere que o elevado consumo de peixe em Portugal pode ser um problema ambiental para o planeta Terra.
créditos: Pixabay

Portugal é o país da Europa do Sul cuja alimentação mais faz mal ao planeta, conclui um estudo publicado esta semana pela Global Footprint Network, a organização responsável pelos cálculos da "pegada ecológica".

A pegada ecológica representa a área da Terra necessária para produzir o que cada pessoa consome. Para Portugal, este valor é de 4,5 hectares por habitante, o quarto na região da Europa mediterrânica, depois de França, Eslovénia e Itália.

No setor da alimentação, o país lidera o índice. São precisos cerca de 1,5 hectares de terra ou mar para garantir as refeições dos portugueses. Ninguém necessita de tanto espaço para matar a fome entre os países do Mediterrâneo. A seguir vêm Malta (1,25 hectares por pessoa), Grécia (1,22) e Espanha (1,15).

A FAO – a agência das Nações Unidas para a alimentação e agricultura – recomenda como saudável uma dieta diária de 2500 quilocalorias por pessoa. Em Portugal, ingerem-se 3500 – 40% a mais, escreve o jornal Público.

Segundo o mesmo organismo, Portugal é também um dos países com maior consumo per capita de peixe no mundo, sobretudo o de espécies como o bacalhau e o atum que requerem mais recursos para se desenvolver.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários