Ébola continua a matar, novo balanço aponta para 2.811 mortes

Não existe vacina ou tratamento específico homologado para a febre hemorrágica provocada pelo ébola
23 de setembro de 2014 - 08h44



A epidemia de ébola já provocou, pelo menos, 2.811 mortos na África Ocidental, entre 5.864 casos, indica o último registo da Organização Mundial de Saúde (OMS), apresentado na segunda-feira à noite.



O registo anterior, de 14 de setembro, apontava para 2.630 mortes e 5.357 casos.



A Libéria continua a ser o país mais afetado, com 1.578 mortos em 3.022 casos. Nos outros dois países mais assolados, houve 632 mortes na Guiné-Conacri, entre 1.008 casos, e 593 mortes na Serra Leoa em 1.813 casos.



"De uma forma geral, a doença no Senegal e na Nigéria está sob controlo", considera a OMS.



Na Nigéria, foram contabilizadas oito mortes em 20 casos. O último caso foi registado no dia 8 de setembro.



No Senegal, apenas um caso foi registado, o de um estudante guineense que acabou por se curar.



Não existe vacina ou tratamento específico homologado para a febre hemorrágica provocada pelo ébola.



A epidemia atual, declarada no início do ano na Guiné-Conacri, é a mais grave desde a identificação do vírus em 1976.



O Conselho de Segurança das Nações Unidas considerou já que a epidemia é uma "ameaça à paz e à segurança internacionais".



A OMS reafirmou na segunda-feira que o mundo enfrenta uma emergência de saúde pública.



Por SAPO Saúde/AFP
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários