Direção-geral de Saúde coloca 15 distritos do continente em alerta amarelo de calor

Segundo a DGS, os termómetros deverão atingir os 40ºC em Setúbal, Santarém e Castelo Branco
5 de julho de 2013 - 07h25
A Direção-Geral da Saúde (DGS) informou hoje que colocou, para sexta-feira, 15 distritos de Portugal continental em alerta amarelo, o segundo mais grave numa escala de três, devido à previsão de altas temperaturas, com possíveis efeitos na saúde.
Com exceção de Faro (30ºC), Aveiro (32ºC) e Guarda (34ºC), em alerta verde, o mínimo para o calor, os restantes distritos do território continental vão estar a amarelo, com temperaturas máximas variáveis entre os 35ºC (Viana do Castelo) e os 41ºC (Beja e Évora).
Segundo o portal da DGS, os termómetros deverão atingir os 40ºC em Setúbal, Santarém e Castelo Branco.
O alerta amarelo de calor significa que, "devido às temperaturas elevadas, pode haver efeitos na saúde", enquanto o verde corresponde a "temperaturas normais para a época do ano".
O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) informou hoje, em comunicado, que as altas temperaturas se devem a "uma vasta região anticiclónica", que "afetará o Atlântico Norte, desde a região a oeste dos Açores até às Ilhas Britânicas, originando o transporte de uma massa de ar muito quente, com uma circulação de leste sobre Portugal continental".
Até domingo, o IPMA prevê, para o território continental, temperaturas máximas de 38ºC a 44ºC nas regiões do Vale do Tejo e do interior sul, de 32ºC a 40ºC nas regiões do litoral oeste e do interior norte e centro e de 27ºC a 32ºC no litoral sul.
Os valores da temperatura mínima previstos vão oscilar entre os 17ºC e 27ºC, sendo mais elevados nas regiões do litoral norte e na região Centro.
O IPMA adianta que as temperaturas máximas e mínimas elevadas deverão continuar até meados da próxima semana, sendo que a partir dessa altura "é menos provável que as temperaturas se mantenham tão elevadas, podendo, no entanto, ainda se manter acima da média".
SAPO Saúde com Lusa
artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários