Dia do Doente: Ministro da Saúde e Doutores Palhaços visitam crianças internadas

Data instituída em 1992 pelo Papa João Paulo II
11 de fevereiro de 2013 - 10h18



As crianças internadas no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, recebem hoje a visita dos “Doutores Palhaços” e do ministro da Saúde, no âmbito do Dia Mundial do Doente que se assinala também com outras iniciativas, nomeadamente religiosas.



A data foi instituída em 1992 pelo Papa João Paulo II com o objetivo de sensibilizar a sociedade civil para a necessidade de apoiar e ajudar todas as pessoas doentes e, desde então, é assinalada, nomeadamente com a realização de eucaristias.



Em Lisboa, a eucaristia em celebração do Dia Mundial do Doente, presidida pelo patriarca José Policarpo, vai realizar-se na Capela das Irmãzinhas dos Pobres, em Campolide.



Ainda na capital, as crianças internadas no serviço de pediatria do Hospital de São Francisco Xavier vão receber a visita de uma equipa dos Doutores Palhaços da Operação Nariz Vermelho, que prometem animação e música.



Estas crianças vão também receber a visita do ministro da Saúde, Paulo Macedo, que desta forma irá assinalar a efeméride.



Em Leiria, o Centro Hospitalar Leiria-Pombal (CHLP) e o Centro de Saúde Dr. Arnaldo Sampaio, em colaboração com a Sociedade Artística Musical dos Pousos (SAMP), assinalam o Dia Mundial do Doente com um dia de música para os doentes, profissionais e visitantes daquelas instituições.



Também o Algarve celebra a data no Hospital de Faro, com uma conferência, às 11:00, intitulada "Novas mentalidades, envelhecimento ativo para todas as idades", proferida por Maria João Quintela, médica geriatra e consultora da Direção-Geral da Saúde para o Envelhecimento Ativo.



Pelas 16:00, o Hospital de Faro acolhe, a nível diocesano, a missa celebrativa do Dia Mundial do Doente.



Na sua mensagem para este ano, inspirada na parábola bíblica do Bom Samaritano, em que se afirma “Vai e faz tu também o mesmo”, o Papa Bento XVI convida as pessoas a deixarem-se interrogar pela figura do Bom Samaritano, que desafia a uma atitude de “proximidade” e representa “o amor profundo de Deus por todo o ser humano”.



O presidente do Conselho Pontifício da Pastoral para os Agentes de Saúde, D. Zygmunt Zimowski, destacou o desafio do Papa para que os fiéis façam da iniciativa “um momento particular de reflexão” e de “renovada atenção” a todos aqueles que estão a sofrer.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários