Detetado crude numa extensão de 10 quilómetros na costa de Grândola

Polícia Marítima confirmou existência de “vestígios de poluição nas praias
23 de maio de 2014 - 12h42



A Brigada do Mar, um grupo de voluntários que está a limpar a costa de Grândola, revelou hoje ter encontrado crude numa extensão de 10 quilómetros, entre as praias da Aberta Nova e do Pinheirinho.



“É uma linha de crude, numa extensão ainda considerável. São cerca de 10 quilómetros”, entre as praias da Aberta Nova e do Pinheirinho, descreveu à agência Lusa um dos responsáveis da Brigada do Mar, Simão Acciaioli.



Segundo o voluntário, o foco de poluição foi detetado na quinta-feira de manhã, na zona de Pinheiro da Cruz, tendo-se tornado “mais visível” ao fim do dia, e hoje já se pode observar mais uma linha, paralela, embora “mais fina”.



O aparecimento de crude na costa levou o grupo a reformular a ação de limpeza que tem em curso nos 45 quilómetros de praias do concelho de Grândola desde o dia 10 deste mês e que se prolonga até domingo.



Os voluntários decidiram suspender a recolha de lixo do areal, prevendo regressar em setembro para limpar os 10 quilómetros, entre a Comporta e Tróia, por onde ainda não tinham passado, e dedicar-se a tempo inteiro à remoção do crude, explicou Simão Acciaioli.



Hoje, segundo o voluntário, está no terreno uma equipa de cerca de 30 pessoas e, durante o fim de semana, estão confirmados grupos com perto de 50 pessoas, tanto no sábado como no domingo, que "irão, literalmente, varrer o crude da areia".



A Polícia Marítima confirmou à Lusa a existência de “vestígios de poluição nas praias”, deslocando-se hoje para o local.



Por seu lado, o presidente da Câmara de Grândola, António Figueira Mendes, responsável pela Proteção Civil municipal, afirmou que a situação “não é preocupante”, embora tenha “de se fazer a limpeza”, na qual a autarquia está a colaborar.



Remetendo explicações para as investigações das autoridades competentes, o autarca adiantou, no entanto, que “o mais provável” é ter-se tratado da limpeza de um petroleiro ao largo da costa.



Por Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários