Defesa do Serviço Nacional de Saúde une PCP e Ordem dos Médicos

Bastonário da Ordem dos Médicos disse que PCP partilha "as preocupações quanto à qualidade do SNS
15 de julho de 2014 - 13h37



O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, reuniu-se hoje com o bastonário da Ordem dos Médicos, convergindo nas preocupações com a "qualidade do serviço nacional de saúde" e do "perigo" de passar a ser prestado "a duas velocidades".



"Tivemos a confirmação da importância do Estado ter a sua responsabilidade, definida na Constituição da República Portuguesa, não só como financiador mas prestador de serviços e não, como o Governo pretende, o Estado financiador e meramente regulador de um setor que está a ganhar cada vez mais força, que é o setor privado", afirmou Jerónimo de Sousa.



Jerónimo de Sousa chefiou uma delegação do PCP, que reuniu com o bastonário da Ordem dos Médicos, a pedido dos comunistas, na sede da Ordem, em Lisboa.



Para o líder comunista, existe "o perigo real de existência de um Serviço Nacional de Saúde a duas velocidades, de uma saúde não como direito, mas como quem quer saúde, paga".



"Encontrámos nesta instituição uma grande identificação na defesa do Serviço Nacional de Saúde", afirmou, destacando a greve da semana passada, que, disse, teve a solidariedade dos utentes.



O bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, disse aos jornalistas que aquela estrutura partilha "das preocupações quanto à qualidade do Serviço Nacional de Saúde, quanto à qualidade da saúde em Portugal".



"A questão da saúde e o Serviço Nacional de Saúde é algo que, na ótica da Ordem dos Médicos, podia e devia ser alvo de um pacto transpartidário para defesa do Serviço Nacional do Saúde, que era o melhor do mundo na relação qualidade/custo per capita", sustentou.



José Manuel Silva alertou ainda o PCP para a publicação da versão final do código de ética da saúde, que designa de "lei da rolha", considerando que "procura impedir profissionais de transmitir às ordens profissionais todas as situações de dificuldade, insuficiência, de pressão no local de trabalho que possam prejudicar a prestação de cuidados".



Por Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários