Cordão humano junta 100 pessoas na greve de enfermeiros de Santarém

Greve convocada pelo SEP termina na sexta-feira
21 de agosto de 2014 - 16h01



Uma centena de enfermeiros e utentes participou hoje na realização de um cordão humano junto ao Hospital de Santarém, protesto integrado numa greve de quatro dias que teve hoje uma adesão de 82%, no turno da manhã.



Os números da adesão à iniciativa e à greve no dia de hoje foram avançados à agência Lusa por Helena Jorge, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), que apontou para uma adesão à greve dos enfermeiros do Hospital de Santarém de 82%, no turno desta manhã, no terceiro dia de uma greve que se vai prolongar até sexta-feira.



"Os números de adesão à greve dos enfermeiros do Hospital de Santarém têm estado em crescendo e podem ser considerados como um sucesso, pela visibilidade dada aos problemas que afetam esta classe profissional, e pelo que refletem em termos de sintonia e partilha de preocupações, anseios e reivindicação de soluções por parte da tutela", disse a enfermeira e dirigente sindical.



Helena Jorge, numa leitura dos primeiros três dias de greve, disse à Lusa que os níveis globais de adesão, depois de aferidos os três turnos de serviço, "foram de 65% na terça-feira, 86% na quarta-feira e hoje, no turno da manhã, 82%".



Helena Jorge disse ainda que os números "mostram claramente que as reivindicações dos enfermeiros são muito justas e muito necessárias", tendo acrescentado que as mesmas "são sentidas e partilhadas por todos, desde os utentes, aos profissionais da saúde".



"Isso mesmo pôde ser hoje constatado com a presença de muitos utentes que se quiseram juntar a nós na realização de um cordão humano", observou a sindicalista, tendo frisado que "a luta não vai parar por aqui".



"Os objetivos globais da greve de quatro dias já foram alcançados", notou, apelando à tutela que "responda em conformidade com as necessidades que estão identificadas no Hospital de Santarém, para que os enfermeiros possam prestar cuidados de saúde com o mínimo de dignidade".



Os motivos apontados pelo SEP para a realização da greve são o "incumprimento dos horários legais de trabalho, a exigência de uma rápida admissão de mais profissionais naquela unidade de saúde e o pagamento do trabalho extraordinário".



Organizada pelo SEP, a greve teve início na terça-feira, às 08:00, e prolongar-se-á até às 24:00 de sexta-feira.



Contactado pela agência Lusa, o Conselho de Administração (CA) do Hospital de Santarém recusou prestar declarações e comentar os números de adesão à greve avançados hoje pelo Sindicato.



Por Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários