Controlo dos alimentos para bebés com elevados padrões de qualidade, garante indústria

Relatório europeu assinalava resíduos de pesticidas em comida para crianças
14 de março de 2013 - 09h31



A Associação da Indústria da Alimentação Infantil (ANID) assegura que as suas empresas associadas utilizam os mais elevados padrões de controlo da qualidade dos alimentos para bebés, refutando um relatório europeu que assinalava resíduos de pesticidas.



“A ANID assegura que as suas associadas utilizam os mais elevados padrões de controlo da qualidade dos alimentos para bebés, quer ao nível do controlo das matérias-primas, quer ao nível do próprio processo”, refere uma nota da associação enviada à agência Lusa na quarta-feira à noite.



Relatório denuncia resíduos de pesticidas em alimentos para bebés



A Associação da Indústria da Alimentação Infantil reagia assim a um relatório da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, que refere Portugal como um dos cinco países europeus onde foram encontradas, em 2010, algumas amostras de alimentos para bebés com valores de resíduos de pesticidas acima dos limites estabelecidos.



“Nenhum dos produtos envolvidos nestas análises pertence a associados da ANID, estando a Associação a trabalhar em estreita colaboração com as autoridades nacionais para garantir a maior transparência de informação junto dos consumidores”, adianta o comunicado.



A ANID recorda ainda que as autoridades nacionais já vieram dizer que os alimentos em causa “não são considerados alimentos especificamente para bebés”.



Na quarta-feira, o Governo assegurou que os alimentos para bebés respeitam todos os requisitos relativos a resíduos de pesticidas e que as amostras que ultrapassavam os limites máximos permitidos não se encontravam rotuladas como comida para bebés.



A secretária de Estado da Alimentação e Investigação Agroalimentar esclarece que “os alimentos produzidos especificamente para bebés respeitam o cumprimento de requisitos próprios, nomeadamente quanto à sua composição nutricional, resíduos de pesticidas e rotulagem específica”, previstos na legislação relativa aos alimentos à base de cereais e aos alimentos destinados a latentes e crianças até aos três anos.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários