Comissão de utentes considera "negativo" primeiro ano do Centro Hospitalar do Oeste

CHO serve uma área com mais de 292.500 utentes
17 de dezembro de 2013 - 12h14



A Comissão de Utentes “Juntos pelo Nosso Hospital” considera negativo o balanço do primeiro ano sobre a criação do Centro Hospitalar do Oeste e afirma que as condições para os utentes se deterioraram.



Passado um ano da criação do Centro Hospitalar do Oeste (CHO), “as condições de acesso dos utentes da região das Caldas da Rainha aos cuidados de saúde hospitalares deterioraram-se particularmente em algumas áreas”, indicou hoje a comissão.



Para o grupo, o primeiro ano de funcionamento do centro hospitalar que agrega os hospitais das Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche salda-se num “balanço negativo”, refere um comunicado enviado às redações.



No serviço de Urgência do Hospital das Caldas da Rainha agravam-se "de dia para dia as condições de atendimento”, refere o documento, que dá nota de que os doentes em observação “ficam internados nos corredores, sem condições de dignidade”, e de que o número de profissionais nas equipas de urgência “tem diminuído” havendo mesmo dias “sem cobertura de algumas especialidades básicas como, por exemplo, a Ortopedia”.



A desmotivação por parte dos profissionais foi outra das constatações avançadas pela comissão, que disse haver “áreas de conflito” e “ um clima de intimidação, e até de chantagem e de ameaças, no tocante às perspetivas futuras para a urgência médico-cirúrgica” das Caldas da Rainha.



A esta situação opõe-se a perspetiva de “candidaturas a fundos de alguns milhões de euros” e a promessa de” obras de alargamento da unidade hospitalar de Torres Vedras, subindo quatros pisos à atual estrutura”, e que levam a comissão a temer a deslocalização de serviços para aquela unidade.

Comentários