Combinação de remédios é melhor do que aspirina para evitar um AVC, indica estudo

AVCs acontecem quando fluxo de sangue para o cérebro é interrompido por coágulo ou um vaso rompido
27 de junho de 2013 - 10h10



Um teste clínico realizado na China demonstrou que a aspirina, combinada com um medicamento usado para evitar coágulos, é melhor do que a aspirina sozinha para reduzir o risco de acidente vascular cerebral.



A investigação publicada no New England Journal of Medicine indica que a terapia combinada reduziu em um terço o risco de derrame num teste aleatório com 5.170 pacientes que sofreram AVCs menores e foram tratados durante um período de três meses.



Está programado um teste simular, nos Estados Unidos. Se a combinação de clopidogrel (Plavix) e aspirina mostrar os mesmos resultados pode-se estar perante uma nova realidade de tratamento, afirmam especialistas, escreve a agência France Presse.



Entre os pacientes que ingeriram as duas medicações, 8,2% sofreram outro AVC nos três meses seguintes, contra 11,7% dos pacientes que tomaram só aspirina.



Os AVCs acontecem quando o fluxo de sangue para o cérebro é interrompido por um coágulo ou um vaso rompido.



Segundo a Federação Mundial do Coração, cerca de 15 milhões de pessoas já sofreram de um AVC em todo o mundo. O AVC causa seis milhões de mortes por ano e cria incapacidade permanente em outros cinco milhões.



SAPO Saúde com AFP
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários