Cirurgias canceladas no IPO de Lisboa por falta de batas

Material foi entretanto reposto e só terá afetado a pequena cirurgia

14 de abril de 2014 - 10h33



Algumas das cirurgias que estavam agendadas na sexta-feira no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa foram canceladas por falta de batas esterilizadas para os médicos, noticiou o jornal Público. A administração garante que o problema já foi resolvido e que afetou apenas três intervenções.



Logo no primeiro turno de intervenções da manhã desta sexta-feira as equipas foram surpreendidas com o cancelamento das operações devido à falta das batas esterilizadas e apropriadas para estes procedimentos. No entanto, segundo fonte médica da instituição, um contacto com o fornecedor permitiu que horas depois o armazenista repusesse o material nos blocos.



A administração justificou que “o planeamento das intervenções cirúrgicas foi objeto de reorganização devido a uma ruptura de stock de batas cirúrgicas, que se ficou a dever a questões administrativas no processo de fornecimento daquele material estando a situação já normalizada”.



Segundo a administração, a falha levou apenas ao cancelamento de pequenas cirurgias.



O caso do IPO junta-se a vários outros que têm sido denunciados pelos profissionais de saúde e pelos utentes de norte a sul do país, com os centros de saúde e hospitais a verem parte da sua atividade condicionada ou interrompida por falta de material clínico como compressas, luvas, agulhas ou batas. Em janeiro, por exemplo, um grupo de médicos do Centro Hospitalar do Algarve escreveu uma carta, que foi também remetida ao ministro da saúde, sobre os “frequentes” adiamentos de cirurgias programadas por “falta de material cirúrgico”.



SAPO Saúde


artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários