Cirurgia precoce no Hospital São José teria evitado morte de jovem com aneurisma roto

 O diretor de neurociências do Hospital de São José reconheceu que uma cirurgia precoce teria evitado a morte de David Duarte, que morreu naquele hospital em dezembro com aneurisma roto por falta de equipa cirúrgica aos fins de semana.
créditos: MARIO CRUZ/LUSA

A informação consta de uma troca de emails do diretor da área de neurociências do S. José com o diretor clínico da instituição, a qual pode ser lida na deliberação da Entidade Reguladora da Saúde (ERS), conhecida esta quinta-feira (21.07).

O regulador identificou “falhas no acesso e na qualidade dos cuidados prestados” pelo hospital ao jovem David Duarte que morreu em dezembro de 2015 por falta de uma cirurgia.

Na deliberação da ERS consta uma mensagem do diretor da área de neurociências do São José, segundo o qual se tratou “de caso com formal indicação operatória para cirurgia precoce para clipagem do aneurisma que não foi possível por ausência de escala de fim-de-semana da equipa cirúrgica, questão já tratada há meses e que deu origem a uma proposta de solução (…) que não teve sequência”.

Morte poderia ter sido evitada

O especialista não tem dúvidas de que “a cirurgia neste caso teria, de facto, evitado a evolução fatal que se veio a verificar”, prossegue a mensagem.

O mesmo responsável, em esclarecimento solicitado pela ERS, afirma: “A única cirurgia de que o doente necessitava era a clipagem do aneurisma e seria este procedimento que evitaria a re-hemorragia que se revelou fatal”.

Sobre a cirurgia, o médico afirmou que esta não se realizou “devido à inexistência de equipa multidisciplinar escalada para cirurgia urgente de aneurisma, equipa essencial para o efeito e sem a qual não é possível em segurança e rigor técnico esse tratamento”.

Leia também: As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos

Comentários