Cientistas australianos associam a perda de memória a má alimentação

Estudo foi realizado com ratinhos de laboratório
17 de dezembro de 2013 - 08h55



Um grupo de cientistas australianos associou a perda de memória a uma má alimentação, depois de realizar uma experiência com ratos que foram submetidos a uma dieta de açúcar e gorduras, informou hoje a imprensa local.



Margaret Morris, líder desta investigação realizada pela Universidade de Nova Gales do Sul, indicou que os ratos revelaram seis dias depois do início da experiência sintomas de perda de memória ao serem submetidos a testes relacionados com a memória espacial.



"Os animais não estavam obesos ao fim de seis dias, mas as mudanças no conhecimento, a perda de memória ocorreu antes de qualquer variação do peso", declarou Morris à ABC, manifestando-se surpreendida com a rapidez com que os ratos registaram uma perda dessas faculdades.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários