Cientistas anunciam invenção de dispositivo para limpar sangue de bactérias e toxinas

Uma vez limpo, o sangue é reintroduzido no organismo sem que a sua composição seja modificada
16 de setembro de 2014 - 10h33



Cientistas norte-americanos anunciaram ter inventado um dispositivo capaz de extrair bactérias, fungos e toxinas do sangue através de um íman, uma descoberta que abre novas perspetivas de tratamento para doenças infeciosas como o ébola.



O dispositivo, que apenas foi testado em ratos, usa esferas magnéticas nanoscópicas (menos de um milésimo de milímetro) cobertas com uma proteína de sangue humano criada geneticamente, a MBL.



A proteína MBL liga-se aos agentes patogénicos e às toxinas, que podem ser extraídas do sangue através de nanopartículas magnéticas.



Uma vez limpo, o sangue é reintroduzido no organismo sem que a sua composição ou coagulação sejam modificadas.



A invenção destina-se a tratar as infeções do sangue, que afetam anualmente 18 milhões de pessoas em todo o mundo, com uma taxa de mortalidade de 30 a 50 por cento.



Os micróbios na origem destas doenças são frequentemente resistentes aos antibióticos.



Se o aparelho se revelar eficaz nos testes em humanos poderá permitir "limpar fisicamente o sangue, retirando uma grande variedade de agentes patogénicos ou toxinas", disse Donald Ingber, um dos autores da investigação, publicada na revista Nature Medicine.



O cientista acrescentou que o tratamento poderia ser realizado "mesmo antes de o agente patogénico ser formalmente identificado e de o tratamento com a antibiótico ideal ser escolhido".



O investigador admitiu ainda a possibilidade de um dia o dispositivo "ser útil" no tratamento do ébola, na medida em que a proteína MBL é capaz de se ligar com o vírus na origem desta febre hemorrágica.



A proteína poderia ainda ligar-se ao VIH, o vírus da Sida, e ao vírus de Marburgo, na origem de uma outra febre hemorrágica muito semelhante ao ébola.



Durante a investigação, os cientistas infetaram ratos com duas bactérias - a staphylococcus aureus e a escherichia coli - e conseguiram retirar 90 por cento das bactérias com esta invenção.



Ingber reconheceu que ainda serão necessários vários anos de experiências com animais maiores e com humanos, antes que o aparelho possa ser aprovado.



Por Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários