Centro de Reabilitação do Norte já tem 25% do internamento preenchido

Prevê-se que até final do primeiro trimestre o CRN tenha 40 doentes internados
5 de fevereiro de 2014 - 14h07



O Centro de Reabilitação do Norte, em Vila Nova de Gaia, que está em funcionamento há cerca de um mês, tem já 25% da sua capacidade de internamento preenchida, disse hoje o diretor clínico da unidade.



“O nosso objetivo é responder às necessidades da região Norte na área da Medicina Física e da Reabilitação”, afirmou Rúben Almeida.



No final de uma visita às instalações desta nova unidade de saúde gerida pela Santa Casa da Misericórdia, no âmbito de um protocolo assinado com o Ministério da Saúde, o responsável salientou que a ação do CRN será essencialmente centrada em doentes do foro neurológico.



Ou seja, será “muito especialmente dirigida a doentes que sofreram acidentes vasculares cerebrais (AVC), a doentes com lesões vertebromedulares (paraplégicos e tetraplégicos) e doentes com traumatismo cranioencefálico”, disse.



“Além destes, vamos ter uma valência que é a Pediatria, onde não existia qualquer resposta de reabilitação adequada no Norte e Centro do país”, acrescentou.



No internamento, de acordo com o diretor clínico, estão preenchidas 26 camas, prevendo-se que até final do primeiro trimestre o CRN tenha 40 doentes internados.



“Depois entraremos num processo de preenchimento até chegarmos às 102, no final do ano”, disse.



Dos oito consultórios disponíveis, seis já estão a funcionar, estimando-se que neste ano sejam realizadas 13 mil consultas.



A Santa Casa da Misericórdia do Porto assumiu por três anos a gestão do Centro de Reabilitação do Norte, estando prevista a transferência, aprovada em Conselho de Ministros, de 27,6 milhões de euros para o efeito.



Pronta desde julho de 2012, a obra do novo centro de reabilitação foi lançada em junho de 2010 pela então ministra da Saúde, Ana Jorge, e a empreitada apresentava então um custo previsto de cerca de 32 milhões de euros e deveria estar concluída em “22 a 24 meses”.

Comentários