Centro de Nanotecnologia de Famalicão criou meias com medicamentos para varizes

Meias é apenas uma invenção de várias deste centro

6 de janeiro de 2013 - 15h33

Meias que libertam medicamentos para tratamento de doenças venosas ou azulejos que funcionam como interruptores são duas das criações do Centro de Nanotecnologia de Famalicão, que já exporta “inovação portuguesa” um pouco para todo o mundo, foi hoje anunciado.

Criado em 2006 por três universidades e três centros tecnológicos, o Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes (CeNTI) de Famalicão registou, nos últimos três anos, 16 patentes, estando na calha mais 20 para 2014.

“O que nos diferencia de outros centros é que nós desenvolvemos tecnologia a pensar nas empresas que temos, os nossos projetos nascem por encomenda das empresas”, explicou o diretor executivo do CeNTI.

António Braz Costa, que falava durante uma visita ao centro do presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, destacou que a capacidade do CeNTI na produção de fibras com três componentes “é única na Europa” e tende também a sê-lo no mundo.

A atividade do CeNTI está focada em três grandes áreas: aplicações para automóveis e aeronáutica; proteção, saúde e bem-estar; construção e arquitetura.

Alcatifas que aquecem, peúgas que fazem a monitorização do ritmo cardíaco, temperatura e número de passos, ladrilhos com capacidade de libertarem aromas ou tecidos que não se deixam atravessar pela água são outros exemplos das criações do CeNTI.

“O que fazemos é transformar cada um daqueles objetos em artefactos eletrónicos, introduzindo-lhes tecnologia que praticamente não se vê nem se sente, mas que está lá e que acrescenta óbvia mais-valia ao produto”, disse ainda Braz Costa.

Ciência de Famalicão torna concelho o mais exportador do Norte

O CeNTI foi visitado por Paulo Cunha no âmbito do roteiro “Made in Famalicão”, que o autarca está a percorrer para destacar os bons exemplos do concelho em termos de empreendedorismo, competitividade e inovação.

Paulo Cunha sublinhou que aquele centro tecnológico é importante tanto para as empresas da região, que podem aproveitar aquele conhecimento para criar novos produtos e conquistar novos mercados, como para o próprio concelho, que assim se torna “mais atrativo” para a fixação de novas empresas.

Segundo o autarca, o CeNTI contribui também para a afirmação de Famalicão como “o concelho mais exportador” do norte de Portugal.

O CeNTI dá emprego a meia centena de investigadores.

SAPO Saúde com Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários