Cannabis é cada vez mais potente, aumentam emergências médicas pelo consumo

73,6 milhões de europeus consumiram cannabis em algum momento da sua vida
27 de maio de 2014 - 10h00



A cannabis vendida nas ruas é cada vez mais potente devido às inovações introduzidas na produção desta planta e as emergências médicas relacionadas com o seu consumo estão a aumentar, revela o relatório europeu sobre drogas, hoje divulgado.



As novidades observadas no mercado de cannabis na Europa são uma das principais preocupações apontadas este ano pela agência europeia de monitorização do fenómeno da droga (EMCDDA).



Especialistas alertam que as drogas atualmente consumidas na Europa são “mais prejudiciais para a saúde” do que eram no passado e que há indícios de que a potência da cannabis vendida nas ruas esteja a aumentar, devido a alterações introduzidas na sua produção.



“As inovações recentemente introduzidas na produção de cannabis são motivo de preocupação, dado que os produtores estão a cultivar plantas que têm simultaneamente um elevado teor de THC (o princípio ativo da cannabis) e um baixo teor de CBD (uma substância antipsicótica)”, aponta o relatório.



Embora a potência de ambas as formas de cannabis tenha vindo a aumentar desde 2006, no caso do haxixe “esses aumentos foram bastante acentuados entre 2011 e 2012”.



Reflexo disso será o facto de a cannabis ter sido, em 2012, a principal droga mais frequentemente referida pelos utentes que iniciaram pela primeira vez tratamento da toxicodependência.



Os especialistas alertam também para a ausência de um acompanhamento no domínio das emergências médicas relacionadas com o consumo de cannabis, considerando tratar-se de um “ângulo morto” na vigilância europeia “às ameaças emergentes para a saúde”.



Tanto assim é que “os poucos dados disponíveis permitem concluir que as emergências médicas relacionadas com a cannabis parecem ser um problema cada vez maior em alguns países com prevalência elevada”, sublinham.



Estas preocupações são maiores para os europeus que mantêm um consumo diário ou quase diário desta droga e que correspondem a cerca de 1% dos adultos entre os 15 e os 64 anos.

Comentários