Cancro do pulmão está a aumentar entre não fumadores, sobretudo nas mulheres

A incidência de cancro do pulmão está a aumentar entre não fumadores e afeta principalmente mulheres, revela um estudo do Instituto Português de Oncologia (IPO), que quis perceber as diferenças entre doentes fumadores e não fumadores tratados naquela instituição.
créditos: AFP

Trata-se do primeiro estudo efetuado a nível nacional que caracteriza a população portuguesa relativamente a Carcinoma do Pulmão de Não-pequenas Células (CPNPC), o tipo mais comum de cancro do pulmão, em não fumadores e um dos maiores estudos efetuados a nível europeu, onde os dados sobre cancro do pulmão em não fumadores são escassos.

“Como sabemos, o tabagismo é responsável por 85% a 90% dos cancros do pulmão em todo o mundo, sendo o principal fator de risco para esta doença. Contudo, doentes não fumadores também têm cancro do pulmão e pela nossa experiência clínica e também de acordo com os mais recentes estudos epidemiológicos internacionais, estes doentes não fumadores são cada vez mais”, explicou à Lusa Cátia Saraiva, do Departamento de Pneumologia do IPO.

Diagnóstico geralmente no último estádio da doença

Nesse sentido, a equipa da investigadora realizou no IPO de Lisboa um estudo envolvendo 1.411 doentes com CPNPC, para procurar as diferenças entre os dois tipos de doentes tratados no IPO nos últimos 25 anos.

“Foram incluídos neste grupo 504 doentes não fumadores e, para termos comparativos, 907 doentes fumadores. Analisaram-se várias características clínicas, patológicas, epidemiológicas e a sobrevida destes doentes, no intuito de perceber fatores que pudessem estar relacionados com um melhor prognóstico”, explicou.

As principais diferenças encontradas entre fumadores e não fumadores foram uma maior predominância de cancro no sexo feminino (54% no grupo dos não fumadores e 9,4% nos fumadores), bem como o predomínio do subtipo histológico Adenocarcinoma (69,9% contra 43,6%).

Comentários