Cancro da mama tem nova associação que vai "traduzir" informação clínica sobre a doença

Organização pretende ser ponto de partida para estabelecer rede de parcerias com universidades

30 de outubro de 2013 - 08h15 (última atualização)

As doentes de cancro da mama podem agora contar com uma nova associação, que se propõe “traduzir” para linguagem clara e acessível toda a informação clínica e cientificamente validada que exista sobre a doença.

Este “objetivo” é simultaneamente a principal inovação da associação ABC, relativamente às outras associações que apoiam doentes com cancro da mama, explicou à Lusa a presidente, Ivone Patrão.


Os destinatários são não só as mulheres que passam pela doença, mas também familiares e pessoas que as rodeiam, assim como também profissionais de saúde e público em geral.



“Destina-se a quem tenha duvidas e quem esteja ao lado da pessoa doente e não saiba o que fazer e onde pesquisar informação credível e acessível”, explicou.



Segundo Ivone Patrão, entre todas as associações que já existem e que são direcionadas ao apoio emocional e ao contacto direto com a mulher e seus familiares, a ABC traz a “oportunidade” de ter disponibilizada “informação precisa sobre cirurgia e tratamentos”.



“Muitas vezes não há resposta tão concreta ao que fazer. Podemos ser uma mais-valia até para as associações que já existem, no sentido de divulgar informação e conteúdos mais específicos e práticos no apoio a estas mulheres. Ter informação sempre atualizada relativamente a esta doença”, especificou.



O lançamento desta associação, que existe desde março mas que aproveitou o mês de outubro - em que se assinala o Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama – para formalizar a sua criação, é também o ponto de partida para estabelecer uma rede de parcerias com universidades.



De acordo com a presidente, o objetivo destas parcerias é o desenvolvimento de um projeto de informação à medida e de proximidade sobre o cancro da mama, o breast cancer spa (aplicação para smart phones), que permita às pessoas fazerem download e obter resposta às suas perguntas.



Esta aplicação permite ainda aos interessados colocarem questões que não constem ainda do programa, questões essas que serão respondidas e que passarão a partir daí a constar da plataforma, com a respetiva resposta, para que outros possam usufruir delas, acrescentou.



A associação tem já em funcionamento um site, dispõe de atendimento telefónico das 12:00 às 20:00 e conta já com mais de uma centena de associados, embora o seu objetivo seja chegar no próximo ano aos mil associados.



O cancro da mama é a doença oncológica mais frequente nas mulheres. Existem 4500 novos casos por ano em Portugal, o que equivale a 11 casos por dia, quatro dos quais acabarão por ser mortais.



SAPO Saúde com Lusa

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários