Campo de férias para crianças insuficientes renais foi “extremamente positivo”

A Associação Portuguesa de Insuficiente Renais (APIR) faz um balanço “extremamente positivo” do primeiro campo de férias para crianças e jovens insuficientes renais, que hoje terminou na Quinta da Fonte Quente, na Tocha.
créditos: AFP

Denominado CRESCE 2015, o campo de férias teve início na segunda-feira e contou com a presença de 14 crianças e jovens dos 07 aos 17 anos, provenientes das quatro unidades de nefrologia pediátrica de norte a sul do país.

“Foi uma oportunidade para essas crianças terem uma semana de férias, de convívio e de animação”, disse à agência Lusa Ana Pastoria, da direção da APIR.

Ana Pastoria referiu que “as crianças que estão a fazer diálise têm tratamentos dia sim, dia não, especialmente à segunda, quarta e sexta, e não têm hipótese de se ausentarem e de irem de férias como as outras”.

“Mesmo os jovens em pré-diálise e já transplantados muitas vezes não conseguem ir para campos de jovens e para atividades com grandes grupos porque têm que ter uma restrição alimentar muito grande”, acrescentou.

Por outro lado, a vertente física também é limitativa, “porque não podem fazer os mesmos esforços que os outros”.

No CRESCE, conseguiram estar “descontraídos, divertidos, terem a dieta rigorosa que lhes convém e aprenderem também um pouco mais sobre o que devem e não devem fazer”.

Comentários