Bioderma apresenta nova linha de produtos para a pele do bebé

Nova gama de 11 produtos conta com a experiência de 35 anos de investigação científica
20 de fevereiro de 2014 - 12h31



ABCDerm é a nova linha de produtos da farmacêutica internacional Bioderma dedicada exclusivamente para a pele de bebé. A nova gama está entre as líderes em França e conta com 11 produtos.



A marca, descrita pelos consumidores pela sua “eficácia”, “tolerância” e “segurança” desenvolveu a primeira gama de produtos para bebé: chama-se ABCDerm, porque é o “ABC da pele sensível do seu bebé”, descrevem os Laboratórios Bioderma em comunicado.



A gama conta com 11 produtos: Agua Micelar, Gel Moussant, Creme Lavante, Leite Hidratante, Creme de Corpo, Creme de Rosto, Champô, Óleo Nutritivo e três cremes medicalizados para cuidados específicos.



Estes últimos são o Change Intensif, indicado para a vermelhidão e pele irritada do rabinho do bebé, o Peri-Oral, indicado para a dermite perioral provocada pela baba do bebé, erupção dentária e agressões climatéricas, e ainda o Babysquam, usado para combater a crosta láctea do bebé que surge no couro cabeludo, rosto, sobrancelhas e também atrás das orelhas.



Produtos controlados dermatologicamente



Os produtos, testados sob rigoroso controlo dermatológico, não contêm parabenos, fenoxietanol, clorfenasina, clorexidina, ftalatos ou BHA, BHT, MIT-MCIT. A gama também não usa corantes ou óleos essenciais.



Fisiologicamente, a pele dos bebés e recém-nascidos é “diferente”, mais frágil, estando exposta três vezes mais a todo o tipo de agressões externas, quando comparada com a pele das crianças a partir de um ano.



Em comunicado, a Bioderma Portugal frisa que “é muito importante a escolha de qualquer produto dermatológico, desde a simples higiene diária ou muda da fralda”



Com mais de 50 patentes internacionais e três centros de pesquisa em França, onde biólogos e equipas de investigação dermatológica trabalham em parceria, o Laboratório Bioderma conta com 35 anos de experiência.



SAPO Saúde
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários