Benavente

Utentes concentram-se junto à ARS em defesa de consultas de especialidade na Misericórdia local

A comissão de utentes de Benavente anunciou hoje que vai realizar, na terça-feira, uma concentração junto à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARS-LVT) em defesa da realização de consultas de especialidade na Misericórdia local.

“Vamos entregar uma primeira tranche com cerca de mil assinaturas para mostrar que não abdicamos de um direito e não aceitamos este tratamento discriminatório”, afirmou hoje à Lusa o porta-voz da comissão de utentes, Domingos David.

Os utentes estão impedidos, desde o dia 01 de julho, de usufruir das comparticipações do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no recurso às consultas da especialidade, exames e tratamentos na Santa Casa da Misericórdia de Benavente, apesar do acordo assinado em março entre a instituição e a ARS-LVT.

O problema é motivado por um procedimento administrativo que obriga os médicos a encaminharem os utentes do concelho de Benavente para o hospital de Vila Franca de Xira ou para hospitais de Lisboa quando necessitam de consultas de especialidade, exames ou tratamentos, ao contrário dos utentes dos concelhos vizinhos.

Uma reunião recente entre a direção da Misericórdia e a ARS conduziu ao desbloqueamento das consultas de dermatologia e fisioterapia, mas os utentes do concelho de Benavente reclamam a disponibilização de todas as especialidades que estavam estipuladas no acordo anteriormente assinado entre as duas entidades.

“O Presidente da República e o primeiro-ministro têm afirmado que uma medicina de proximidade passa por colocar as misericórdias ao serviço das populações”, frisou o porta-voz da comissão para reclamar: “só pedimos é que ajudem a resolver este problema que só vem onerar o SNS”.

Segundo Domingos David, “já há pessoas que deviam estar em tratamentos, mas como não têm dinheiro para se deslocar, estão a abdicar de um direito”.

A comissão de utentes assegura “não parar, enquanto o problema não for resolvido”.

22 de agosto de 2011

Fonte: Lusa

Comentários