Beber (pouca) cerveja torna as pessoas mais criativas

Um novo estudo da Universidade de Graz, na Aústria, afirma que a ingestão moderada desta bebida reduz os mecanismos de controle do cérebro, aumentando a espontaneidade e a imaginação.

Um estudo em 2015 já o tinha afirmado e uma nova pesquisa levada a cabo pela Universidade de Graz, na Aústria, dois anos depois, vem comprová-lo. Beber cerveja torna as pessoas mais criativas. Segundo os investigadores do estabelecimento de ensino, a ingestão moderada desta bebida reduz os mecanismos de controle do cérebro, relaxando-o e aumentando a espontaneidade e a capacidade de imaginação.

Os cientistas chegaram a esta conclusão depois de uma experiência laboratorial em que dividiram um grupo de voluntários, homens e mulheres, em dois subgrupos. A um deram uma cerveja com 0,5% de álcool e ao outro serviram uma mais forte, com 5,2% de teor alcoólico. Antes e depois da ingestão da bebida, submeteram-nos a vários testes psicológicos. As conclusões não deixam qualquer margem para dúvidas.

Os que ingeriram a cerveja mais forte registaram índices de criatividade 40% superiores. Os investigadores da universidade acreditam que um copo de vinho pode ter um efeito semelhante. «Os efeitos benéficos só se verificam com uma quantidade de álcool muito modesta», ressalva, contudo, Mathias Benedek, um dos membros do departamento de psicologia da universidade e um dos autores da pesquisa.

A investigação foi tornada pública pelo jornal Consciousness & Cognition. «Quisemos fazer este estudo porque o álcool é associado à criatividade e a grandes escritores como Ernest Hemingway. Estudos anteriores descobriram que quase metade dos grandes escritores tinham um histórico de [consumo de] álcool», sublinha o especialista. Veja também a galeria de imagens com 10 razões para beber (mais) cerveja.

Texto: Luis Batista Gonçalves

artigo do parceiro:

Comentários