Bastonário diz que há médicos proibidos de prescrever alguns medicamentos

10/01/2013 - 10h01 

O bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, denuncia que há clínicos que estão a ser proibidos de prescrever os medicamentos que consideram adequados por causa das novas diretrizes hospitalares introduzidas pelos cortes financeiros.

“Há médicos que estão, neste momento, a ser proibidos de prescrever aquilo que acham que devem para os doentes. Isso é, obviamente, inaceitável. Devemos combater as situações de discriminação”, declarou José Manuel Silva na quarta-feira à noite num debate promovido pela Ordem dos Médicos sobre racionamento e racionalização de medicamentos.

O bastonário deu o exemplo da hepatite C, relatando que os novos medicamentos antivirais estão a ser usados de forma diferente consoante os hospitais, havendo algumas unidades que não estão a permitir a sua utilização.
Tratam-se, segundo o bastonário, de fármacos que aumentam a taxa de cura da hepatite C em 30 % a 40 % e que foram aprovados com rapidez pela Agência Europeia do Medicamento devido ao seu “espetacular benefício na terapêutica” da doença.
Também o presidente da Associação Portuguesa de Bioética lamentou que haja “hospitais com políticas diferentes” em Portugal no que se refere ao acesso aos medicamentos.

“Não podemos permitir que dois hospitais separados por uma rua tenham políticas diferentes. Um dá um medicamento num determinado cancro e o outro não dá. Mas afinal quem é que manda neste país?”, insurgiu-se Rui Nunes, que tem contestado o parecer do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida sobre racionamento de medicamentos.

Lusa

artigo do parceiro: Nuno de Noronha

Comentários