Atores fazem rastreio à voz e alertam para a importância da prevenção

Hoje é o Dia Mundial da Voz
16 de abril de 2014 - 15h33



Depois de seis meses de rouquidão, Fernando decidiu finalmente ir ao médico e o diagnóstico foi o pior, um cancro na garganta, que poderia ter sido evitado com rastreios, como aquele a que hoje se submeteram vários atores.



Foi há 11 anos que Fernando Gomes recebeu a notícia de que tinha de retirar as cordas vocais. “Os primeiros tempos foram muito difíceis e, ainda hoje, se entrar num sítio qualquer, as pessoas olham porque é uma voz estranha”, contou à agência Lusa, no Dia Mundial da Voz.



“Nunca tive uma dor, nunca tive um mal-estar, só rouquidão”, disse o doente, que hoje faz uma “vida normal”, apenas com algumas restrições: “O álcool evita-se e o tabaco acabou naquele dia”.



Fernando Gomes juntou-se a vários artistas que durante toda a manhã fizeram um rastreio da voz no Hospital Egas Moniz, promovido pelo Centro Hospitalar de Lisboa Oriental e pela Fundação GDA – Direitos dos Artistas.



Após a realização do rastreio, o ator Rui Mendes disse à Lusa que “a voz é uma das ferramentas dos atores”, que têm de ser cuidada.



“As cordas vocais são músculos que têm de ser treinados e cuidados, tal como os músculos das pernas para os corredores, e os músculos dos braços para os ginastas”, comentou.



Para manter a saúde do aparelho vocal, Rui Mendes evita comer alguns alimentos, como azeitonas, chocolates e nozes, e deixou de fumar.



“Fumei durante muitos anos e graças a uma peça de teatro que fiz tive de deixar de fumar”, contou, desabafando: “Acho que comecei a viver desde que deixei de fumar”.



A atriz Paula Marcelo continua a fumar, mas tem cuidados com a voz e faz questão de fazer o rastreio todos os anos.



“Descobri a minha patologia, por acaso, num rastreio de voz”, disse a atriz, que tem “um pequeno edema” nas cordas vocais próprio dos fumadores.



Paula Marcelo adiantou que, “tal como um músico trata do seu instrumento musical”, o ator tem também de tratar o seu instrumento, a voz.


Comentários