Associação critica falhas na Saúde no acesso a informação para cegos

População cega não faz rastreios porque não tem acesso à informação, lamenta associação
28 de abril de 2014 - 10h55



A ACAPO afirmou hoje que a área da saúde tem "falhas" no acesso a informação para cegos, tendo criado uma parceria com o Núcleo do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) para reduzir "constrangimentos".



José Francisco Caseiro, presidente da delegação da Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO), considerou que "a área da saúde tem várias lacunas na produção de informação adaptada a este tipo de utentes", explicando que "num hospital regional, local ou centro de saúde não há este tipo de informação" disponível.



"Há uma falha nos organismos públicos", criticou, considerando que, apesar de "na internet haver muitos ‘sites’ que falam de saúde", grande parte da população cega e amblíope "não acede à informação na internet e a que existe não está em carateres ampliados ou em braile".



A parceria com a LPCC foca-se na produção de informação em torno do cancro da mama, podendo continuar "com ações em torno de outros cancros e criar um programa de educação da saúde" para pessoas com deficiência ou incapacidade visual, afirmou Carlos Oliveira, presidente do núcleo regional.



"Há poucas iniciativas neste âmbito e dirigidas para uma população com características muito particulares", disse.



Foi por isso criado material em "áudio e em braile", assim como a ampliação de letras para "pessoas com grande dificuldade de visão", explicou Carlos Oliveira.



A informação, que se foca na prevenção e fatores de risco do cancro, será dirigida "às mulheres, mas também aos familiares", procurando-se também "promover o rastreio do cancro", que é "a forma de prevenção mais importante", disse à agência Lusa o presidente do núcleo da LPCC.



"Estamos convencidos de que parte desta população não faz o rastreio porque não tem acesso à informação", avançou, sublinhando que este projeto é "o primeiro do género em Portugal e um dos primeiros na Europa", estando integrado na Europa Donna - Coligação Europeia Contra o Cancro da Mama.



Segundo Carlos Oliveira, apesar de a iniciativa ter partido do núcleo do Centro da LPCC, os outros núcleos regionais vão também promover campanhas semelhantes.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários