Ana Castro é a nova presidente do Grupo de Estudos do Cancro de Cabeça e Pescoço

Ana Castro, investigadora e Oncologista Médica, é a nova Presidente do Grupo de Estudos do Cancro de Cabeça e Pescoço. A distinção do GECCP enquanto parceiro institucional para a reflexão sobre a patologia do cancro de cabeça e pescoço em Portugal e a colaboração com a tutela para a optimização das estratégias de prevenção primária são os grandes objetivos deste mandato.
créditos: AFP

“A taxa de sobrevivência em doentes com Cancro de Cabeça e Pescoço avançado continua a ser insatisfatória, apesar da introdução de novas estratégias terapêuticas. Há uma forte necessidade de abordagens preventivas eficazes, com o objectivo de reduzir a incidência de recorrências”, diz Ana Castro, num comunicado enviado às redações.

O Grupo de Estudos vai continuar a focar as suas atividades na prevenção e na sensibilização para os factores de risco.

Projetos nas escolas

Este ano vamos estar nas Escolas Primárias e Secundárias com o nosso projecto “Planeta Dentix”, que tem como principal objetivo educar as crianças e jovens para uma boa saúde oral e para as consequências dos hábitos tabágicos”, explica a nova Presidente do Grupo de Estudos do Cancro de Cabeça e Pescoço (GECCP).

O Grupo viu ainda o seu projecto ‘DietINT’ ser considerado um dos melhores projectos de investigação para 2015, pela rede TRANSCAN, e vai ser o primeiro projecto de investigação do GECCP que tenciona iniciar outros projectos de investigação neste mandato e que se irão perpetuar pelos próximos anos.

Os Carcinomas da Cabeça e Pescoço são a quarta patologia com maior incidência em Portugal em indivíduos do sexo masculino. A grande maioria são constituídos por tumores com origem nas vias aerodigestivas superiores. Todos os anos, registamos mais de 2.500 novos casos em Portugal de cancro oral, orofaringe, laringe e hipofaringe, com uma mortalidade de cerca de 60%.

O cancro da cabeça e do pescoço é o sétimo cancro mais comum a nível mundial. Só na Europa, estima-se que existam cerca de 143.000 casos de cancro da cabeça e do pescoço, ocorrendo mais de 68.000 mortes em cada ano. Estimativas para 2020 indicam que a incidência do cancro da cabeça e pescoço aumentará 30%, devido ao crescimento e envelhecimento da população.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários