Agência para a prevenção do trauma visa promover cooperação entre instituições

Consequências das situações traumáticas podem tornar-se saúde pública
18 de fevereiro de 2014 - 16h52



A Agência para a Prevenção do Trauma Psicológico e da Violação dos Direitos Humanos foi constituída, hoje, em Coimbra, para “estreitar o relacionamento” entre instituições e enfrentar o problema "de forma eficiente e integrada”.



Desenvolvido no âmbito do Serviço de Psiquiatria do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), a nova Agência destina-se ao estudo, prevenção e tratamento das vítimas de todas as formas de violência e dos agressores.



Há “várias instituições envolvidas no lidar com as diversas vertentes e conhecimentos dos eventos traumatizantes” e “é fundamental o relacionamento estreito com essas instituições e juntar sinergias”, afirmou, na sessão de criação da Agência, António Reis Marques, diretor do Centro de Responsabilidade Integrada de Psiquiatria e Saúde Mental (CRI-PSM ) do CHUC e um dos dinamizadores do projeto.



Só através daquele “relacionamento estreito” e da cooperação entre as diversas instituições que se ocupam daquela questão será possível “enfrentarmos de forma eficiente e integrada toda esta problemática”, sustentou o especialista.



As consequências das situações traumáticas, “intencionais ou não”, são “um grave problema de saúde pública e, no caso da violência, uma violação dos Direitos Humanos”, sublinhou durante a sessão, que decorreu nos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC/CHUC), João Redondo, coordenador da Unidade de Violência Familiar e do Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicogénico do CHUC e outro dos promotores da Agência.



As situações traumáticas “matam a cada ano mais de cinco milhões de pessoas em todo o mundo” e provocam “um número ainda maior de casos de incapacidade”, advertiu João Redondo, referindo que a população mais atingida se situa no “intervalo entre os 15 e os 44 anos de idade”.



É fundamental “investir na prevenção”, defendeu o psiquiatra, considerando que a abordagem do problema “implica, ao nível da ação, uma matriz multidisciplinar, multissetorial, em rede”, à semelhança daquilo que sucede com o Grupo Violência: informação, investigação, intervenção (Grupo V!!!), fundado em Coimbra, em 2002.



Uma das entidades que integra a Agência, o Grupo V!!!, reúne parceiros como a Administração Regional de Saúde do Centro, CHUC, Segurança Social, Instituto de Medicina Legal, Departamento de Investigação e Ação Penal, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação de Coimbra, Fundação Bissaya Barreto, PSP, GNR e INEM.

Comentários