Agência da UE considera dois inseticidas neurotóxicos para os humanos

Inseticidas podem afetar desenvolvimento dos neurônios e das estruturas cerebrais
17 de dezembro de 2013 - 12h39



A Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) afirmou esta terça-feira que dois inseticidas neonicotinoides - o acetamipride e o imidaclopride - podem ser neurotóxicos para os humanos e pediu uma redução do teto atual de exposição recomendado.



Esta é a primeira vez que a EFSA estabelece uma relação entre a família dos neonicotinoides - dos quais três foram proibidos na UE por riscos para as abelhas - e um risco no "desenvolvimento do sistema nervoso humano", afirma a EFSA.



Estes inseticidas "podem afetar de maneira desfavorável o desenvolvimento dos neurônios e das estruturas cerebrais associadas a funções como a aprendizagem e a memória", destaca um comunicado da Autoridade.



A EFSA propõe que "alguns níveis recomendados de exposição aceitável sejam reduzidos", enquanto se aguarda por mais estudos complementares.



Em abril, a UE proibiu durante dois anos o uso de uma série de cultivos de três pesticidas desta família, incluindo o imidaclopride, já que os produtos foram considerados responsáveis pelo desaparecimento de abelhas.



SAPO Saúde com AFP
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários