Açores garantem total segurança na passagem de aviões com doentes com ébola pelas Lajes

Secretário regional da Saúde afirma não haver motivos de preocupação

04 de agosto - 15h07

A passagem de um avião com um doente com ébola pela Base das Lajes correu como previsto, sem contacto entre o interior da aeronave e o exterior, não havendo motivos para preocupação, segundo o secretário regional da Sáude.

Segundo Luís Cabral, as autoridades de saúde dos Açores foram informadas da passagem pelas Lajes de um avião que transportava um doente infetado com o vírus do ébola da Libéria para os Estados Unidos e acionou “sistemas de monitorização e vigilância” para garantir que durante o período em que o avião estaria estacionado na ilha Terceira não haveria contacto entre o interior da aeronave e o exterior.

“Tendo sido informados, aquilo que era importante fazer era exatamente controlar que não haveria esse contacto e não havendo esse contacto não há qualquer tipo de preocupação que tenha de ser manifestada relativamente a esta matéria”, frisou hoje Luís Cabral, em declarações aos jornalistas, à margem da apresentação do Plano Regional de Saúde para 2014-2016, em Angra do Heroísmo.

De acordo com Luís Cabral, o avião parou nas Lajes apenas para ser reabastecido, o que demorou “cerca de 42 minutos” e nesse tempo “não houve qualquer tipo de contacto, quer para o interior do avião, quer do interior do avião para o exterior”.

O secretário regional da Saúde dos Açores confirmou ainda que deverá passar pela Base das Lajes um outro avião com mais um norte-americano com ébola, que se encontra atualmente na Libéria.

“Neste momento, pelo que nos foi informado, temos apenas esta passagem a registar. Sabemos que existe outro doente na Libéria norte-americano, do qual também se pretende fazer o transporte para os Estados Unidos”, adiantou.

A passagem desse avião pela Base das Lajes, que é usada pela Força Aérea dos EUA, deverá ocorrer da mesma forma do que a anterior, com o conhecimento das autoridades de saúde regionais.

“Estamos a aguardar que nos seja informado a hora e o dia para que possamos atuar da mesma forma que fizemos aquando da primeira passagem, ou seja, monitorizar exatamente que não há contacto do interior do avião para o exterior”, salientou.

O médico norte-americano Kent Brantly, infetado com o ébola na Libéria, chegou à base militar da Geórgia, nos EUA, no sábado, depois da escala na Terceira.

O doente foi transportado num jato particular e levado um hospital em Atlanta, especialmente equipado para isolar este tipo de doença, segundo a organização Samaritan´s Purse, entidade para qual o médico trabalha.

A segunda doente, Nancy Writebol, será transferida para os Estados Unidos dentro de dias, devendo passar igualmente pelas Lajes.

Nancy Writebol é uma missionária da Samaritan´s Purse. Os dois norte-americanos trabalhavam com doentes infetados pelo Ébola em Monróvia, na Libéria.

A epidemia de ébola na Libéria, Serra Leoa e Guiné Conacri já provocou 1.323 contágios e 729 mortos, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). A Nigéria contabilizou o caso de uma pessoa em Lagos proveniente da Libéria.

Por Lusa

Comentários