34% das unidades de saúde familiar sentiram falta de material básico em 2012

Em causa estão materiais como luvas, batas ou vacinas
9 de maio de 2013 - 10h22



Um terço das Unidades de Saúde Familiar (USF) terão sentido falta de material considerado básico durante o ano de 2012, como luvas, batas ou vacinas contra o tétano, segundo dados de um inquérito que será divulgado nesta semana.



Todos os anos é feito um estudo de satisfação aos coordenadores das USF e os resultados relativos a 2012 serão apresentados em detalhe no 5.º encontro nacional destes organismos que começa nesta quinta-feira em Lisboa e que se prolonga até sábado.



Em declarações à agência Lusa, o presidente da comissão científica do encontro, André Biscaia, explicou que uma das tendências é um aumento da insatisfação em relação ao Ministério da Saúde e aos organismos da administração central.



As faltas de material básico de funcionamento são apontadas por um número significativo de coordenadores de USF, com 34% deles a indicarem que em 2012 essas falhas ocorreram mais de 10 vezes. O mesmo estudo mostra que só 13% dos coordenadores afirmaram nunca terem tido falhas de material considerado básico.



Equipamento informático obsoleto



O equipamento informático, que apoia grande parte da atividade clínica e administrativa nas USF, também está a ser motivo de insatisfação, com metade dos coordenadores a não considerar que o equipamento tem o nível de adequação pretendido.



Criadas em 2005, as USF foram fundadas como uma forma alternativa ao habitual centro de saúde, prestando também cuidados primários de saúde.



Neste momento, há 86 candidaturas para criação de unidades de saúde familiar que estão por decidir e que poderiam dar médico de família a mais 150 mil utentes.



André Biscaia, revelou à Lusa que desde o início do ano apenas entrou em funcionamento uma destas unidades, sendo que outra foi extinta. Segundo os dados oficiais, entre 2006 e 2010 abriam 55 unidades por ano, o que dava uma média de cinco por mês. Mas em 2011-2012 a média caiu para 39 unidades.



Atualmente existem em funcionamento 357 USF que abrangem cerca de 4,5 milhões de utentes e onde trabalham mais de 6900 profissionais.



SAPO Saúde com Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários