10 anos depois da ameaça de um vírus desconhecido

Vírus do Síndrome Respiratório Agudo surgiu na Ásia há uma década
15 de março de 2013 - 09h51



As ruas movimentadas, as lojas e restaurantes cheios e o constante frenesim da cidade pouco sugere que há 10 anos, o complexo residencial Amoy Gardens, em Hong Kong, se tenha transformado numa frente de batalha contra um vírus que gerou pânico mundial.



O complexo residencial acabaria por se tornar num ponto quase sitiado da cidade sempre em movimento, onde as autoridades se concentravam para controlar o vírus do Síndrome Respiratório Agudo (SARS, na sigla inglesa), declarado com uma ameaça mundial pela Organização Mundial de Saúde a 15 de março de 2003.



Hong Kong acabaria por ver morrer 299 das 800 pessoas que não resistiram à doença em todo o mundo. O vírus infetaria, contudo, cerca de 1.800 em toda a antiga colónia britânica, com uma população estimada em sete milhões de pessoas.



A polícia cercou e isolou o Amoy Gardens que se tornou como uma cidade fantasma apenas visitado pelos técnicos de saúde que, devidamente isolados com roupas especiais, procuravam a fonte do surto, entregavam alimentos e outros bens essenciais às centenas de moradores forçados a ficar em casa.



No final, 42 pessoas daquele complexo viriam a morrer num universo de 329 residentes infetados.



No bloco E foram registados 41 % dos casos. As autoridades selaram o edifício durante dez dias e cerca de 250 moradores foram colocados de quarentena em parques afastados das áreas densamente povoadas.



Hoje, alguns moradores recordam que nem os taxistas queriam levar gente à porta do prédio e que mesmo os hotéis recusavam um quarto quando percebiam que um hóspede vinha do edifício.



A contaminação do prédio aconteceu através dos sistemas de esgotos e de ventilação das casas de banho e a fonte terá sido um homem infetado que dormiu em casa do irmão antes de viajar para Shenzhen, cidade adjacente já no interior da China.



O primeiro caso de SARS terá sido detetado em novembro de 2002, na província continental de Guangdong, mas apenas tornado público em fevereiro do ano seguinte.



Em todo o mundo, o vírus infetou 8.000 pessoas, sendo que o maior número de vítimas mortais foi contabilizado na China, Hong Kong, Taiwan, Canadá e Singapura.



Com ligações a todas estas regiões, Macau, fortemente dependente dos turistas que já na altura enchiam os casinos locais, registou apenas um caso, envolvendo um cidadão que contraiu o vírus na China e procurou tratamento no território.



Lusa
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários