Parte I - Os benefícios do exercício na função cognitiva

O exercício estimula a capacidade intelectual…

O nosso corpo não foi desenhado para estarmos sentados a trabalhar numa secretária durante 8 horas. Desde uma perspetiva evolutiva, os nossos cérebros desenvolveram-se enquanto andamos à procura de comida, de abrigo, a atravessar rios ou a fugir dos leões e outros animais. Está comprovado que aqueles que fazem exercício com regularidade superam a comunidade sedentária na memória de longo prazo, no raciocínio, na atenção e na solução de problemas.

Os cientistas estimam que os nossos antepassados caminhavam à volta de 10-20 quilómetros por dia! Isto significa que os nossos cérebros desenvolveram-se quando estavamos em movimento e não quando estavamos sentados. Para chegar a estas conclusões os investigadores mediram o poder do cérebro de uma população sedentária, prescreveram exercício e depois re-examinaram os efeitos do exercício no seu cérebro. Ou seja, eles descobriram que quando as pessoas sedentárias fizeram um programa de exercício aeróbio, com uma duração mínima de 4 meses, as suas capacidades cognitivas melhoraram.

Aconteceu o mesmo com as crianças em idade escolar. Num estudo recente, realizado numa escola dos EUA, as crianças que correram 30 minutos 2 ou 3 vezes por semana, durante um período de 12 semanas, melhoraram significativamente o seu rendimento cognitivo. Quando compararam os resultados com aquelas crianças que desistiram, os investigadores descobriram que havia uma relação direta entre aquelas que faziam exercício físico e aquelas que melhoraram as suas capacidades nos testes.

Cá em Portugal, saiu também no ano passado os resultados de um estudo efetuado por uma equipa de investigadores da Faculdade de Motricidade Humana (FMH), a comprovar que os alunos que fazem mais exercício físico têm melhores resultados escolares.

Que tipo de exercício é melhor? Quanto tempo?

Surpreendentemente, depois de anos e anos de investigação em populações idosas parece que nem é necessário fazer muito exercício para podermos ver alguns beneficios. Tal como tudo na vida, a quantidade não é a solução. Se tudo o que faz é caminhar várias vezes por semana, o cérebro vai beneficiar. No laboratório, descobriram que fazer 30 minutos de exercício aeróbio 2-3 vezes por semana já é suficiente para haver alguns benefícios.

E, mais importante, se acrescer a isto treino de força, os benefícios são bastante superiores (partindo do princípio que o programa de treino é adequado, como é óbvio). Atenção, os estudos falam de exercício aeróbio e normalmente as pessoas associam isto ao jogging ou às caminhadas, mas lembre-se também que nadar, andar de bicicleta ou fazer qualquer tipo de treino em circuito também podem ser formas de exercício aeróbio.

O importante é que faça algum tipo de atividade de forma consistente e, para maiores beneficios, é importante que a mesma tenha alguns picos de intensidade. 

Bons treinos e até para a semana!

artigo do parceiro:

Comentários