Os cuidados alimentares no exercício físico explicados por uma médica

A médica Antonieta Dias, Professora Universitária e especialista em Medicina Desportiva, explica a importância de uma alimentação adequada no exercício físico.
créditos: Pixabay

Quando falamos na importância da prática desportiva deduz-se que será uma atividade destinada a proporcionar bem-estar e contribuir para melhorar a saúde individual, sem prejuízo das motivações dos desportistas para a pratica da modalidade preferida.

Apesar de ter surgido um aumento significativo de desportistas na população em geral, os estudos demonstram que no Sul da Europa cerca de 50% das pessoas não praticam qualquer atividade física de forma regular.

Estes países nos quais se inclui Portugal, Bulgária, Grécia, Itália e Roménia ainda estão muito aquém do esperado para atingirem o nível de desenvolvimento ideal para uma cultura desportiva essencial. Na Suécia e Finlândia a percentagem de praticantes desportivos ronda os 85-95 por cento e nos Estados Unidos em 42 dos 51 Estados, 65 por cento da população não pratica qualquer modalidade desportiva.

Existe evidência científica que demonstra a valorização da manutenção de uma atividade física regular no benefício direto na saúde, sendo por isso uma prioridade.

Constata-se a existência de um melhor desempenho no rendimento escolar dos jovens atletas que modelam e dividem as suas atividades diárias entre estes duas obrigações ocupando de forma saudáveis os seus tempos livres sem prejudicar os seus estudos.

O impacto positivo destas competências irá gerar uma gestão mais competitiva dos jovens nas futuras atividades profissionais.

Alimentação do atleta

Falando agora da alimentação do atleta devemos ter em consideração que a dieta do atleta deve ser equilibrada para permitir otimizar o desempenho desportivo:

  • As refeições devem ser realizadas cerca de 3 a 4 horas antes da prática desportiva para permitirem a digestão dos alimentos sem que os atletas fiquem com a sensação de distensão gástrica e para impedirem o desconforto de um rendimento desadequado provocado pelas perturbações alimentares.
  • As refeições devem ser facilmente digeríveis, ricas em carbohidratos e com pouca quantidade de proteínas e gorduras.
  • Todo o atleta deve ingerir no mínimo dois litros de líquidos por dia.
  • Recomenda-se a ingestão de 500 ml de líquidos duas horas antes dos exercícios; trinta minutos antes do início da pratica desportiva devem ingerir entre 250 a 500 ml; 250 ml de líquidos devem ser ingeridos durante a atividade desportiva.
  • Se os atletas estiverem num ambiente de calor e se o seu desempenho exigir muito esforço, tsl obrigará a fazer suplementos complementares de líquidos para minimizar as perdas de água resultantes da libertação de água pelo suor. Excluem-se as bebidas com frutose por serem indigestas.
  • O chá, bebidas gaseificadas, café ou sumos de frutas estão contraindicados durante a atividade física.
  • Uma alimentação rica em carne, peixe e ovos contém ácido aspártico, que ajuda a adquirir massa muscular.
  • Os usos de suplementos alimentares só são necessários se a alimentação não for rica em nutrientes e variada na sua composição.
  • Se as refeições dos atletas tiverem todos os ingredientes de uma alimentação diversificada saudável os suplementos são dispensáveis.

Contudo importa referir que se o gasto energético for intenso recomendam-se alguns suplementos que não devem ser confundidos com substâncias anabolizantes e devem ser sempre selecionados por um especialista em nutrição ou por um médico especialista em medicina desportiva.

As doses recomendadas implicam o conhecimento científico dos gastos energéticos adaptados à individualidade (sexo, faixa etária, carga de treino, número de horas gastas na competição ou no treino) de cada atleta e da modalidade praticada.

Cada atleta deverá dormir em média entre 9 a 12 horas por noite, para poder repor a energia gasta ao longo do seu desempenho desportivo.

As explicações são de Antonieta Dias, Médica, Professora Universitária e especialista em Medicina Desportiva

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários